Poema

Como o vento disser,
Como o vento fez,
Pesado e distorcido
Na penumbra se desfez.

Seja tal tão frio,
Seja tal tão artificial,
Embora a fé na cegues,
Algo que não é real.

Como que tal ilusão possa ser tão simples e pura?
Mesmo como a luz presente, porquê a sombra?
O que procura?

Alegremente cantam as aves,
Mas como ousam perante a ausência?
Neste poço nos afunda, tão fundo e vazio.

“Uma garrafa vazia,
Um saco do lixo cheio”
Tais itens inúteis não merecem salvação.
Sendo vós quem afirmou:

“Diversas pessoas,
Diversas perspectivas”
Uma só afirmação
Não sustenta uma árvore cheia de dúvidas.

Carolina Santos, 10.º ano, 17/11/2022

Mais um poema, o n.º 10, da “coleção
“Um poema só porque sim”.
E aceitamos mais: biblioteca@agr-tc.pt

No facebook | No instagram
Um poema de apenas de um rapaz II

Não sei mais o que dizer
É um amar p’ra além de ver
Fico horas num cubículo
A pensar em te ver
Estas horas passam lentas
Assassinam eu e as minhas canetas
Em silêncio salientas
Que me amas sem provetas
Dou-te força e tu aguentas
Qualquer dor que aqui se meta
Não quero dígitos nem letras
Vejo além dessas tretas
Vejo ruas curvas tortas
Caminhos retas e rotas
Entradas inícios portas
Saídas saltos e voltas
Eles olham mas não importa
Alguém sempre olha pro que importa
Há sempre tempo a deitar fora
Há sempre ódio para a glória


MF, 10.º ano, 17/11/2022

Mais um poema, o n.º 9, da “coleção
“Um poema só porque sim”.
E aceitamos mais: biblioteca@agr-tc.pt

No facebook | No instagram




Poema

Pelo eco se sente a chuva
“A tua fragrância me impressiona”
Tão familiar que parece
“A silhueta não é contrária?”

Um ritmo tão peculiar
Mas estranhamente diversificado
Onde que já presenciei tal arte?
Não importa, agora é isso que procuro

“Por tanto tempo te procurei”
Na sala dos espelhos ecoando
Tal pergunta me enervava
“E a anterior? O valor não era o mesmo?”

A resposta saiu tremendo
Por uma fonte parada se sentiu
“Era, já não é.”
Desta vez foi o rato a comer o gato, não foi?

Como que tal macia, quente e pura,
Pôde ganhar espinhos como defesa a algo que própria fez?
“Acredito que tirei a carta errada”
Primeiramente pensando que era a escolha certa.


Carolina Santos, 10.º ano, 17/11/2022

Mais um poema, o n.º 8, da “coleção

“Um poema só porque sim”.
E aceitamos mais: biblioteca@agr-tc.pt

No facebook | No instagram
Poema

Sou um fantasma de mim mesmo
E do que em mim poderia ser
Um fantasma de tudo o que me rodeia
E a que muitos chamam realidade
De todas as coisas que são, passam
E deixam de ser
De tudo o que é
E então se transforma
Um fantasma de tudo o que se mexe e sente
Que respira, vive
E no chão tem o seu último momento
Também sou fantasma do que não é
Principalmente do que nunca chega a ser
Fantasma daquilo que tão desesperadamente desejamos
e que na verdade jamais encontramos
Fantasma de sonhos, imaginações
De tudo o que se ambiciona e de todas as intenções
Sou também o único que compreende
Que não passam eles todos de um cheio de ilusões
Como se para o que vive
O que mais precisasse fossem razões
Sou um fantasma do dinamismo a que chamam vida
Mas sou fantasma também do que nela termina
Ah! Mas que ridículo mundo de relações
Onde não existe um sem que haja o outro
A abominável dependência de conceitos
Onde o mal é a falta de bem
E o bem um contemplado ideal
Sou um fantasma de tudo o que existe
E todo ele é inevitavelmente e incompreensivelmente
Ridículo
Ridículos todos esses que procuram viver
Como se a vida fosse mais do que é
Esses de uma incansável sede e fome

Eduardo Aleixo, 12.º ano

Lia Barreiros, 10.º 1no
Poema completo aqui.
Mar – Poema ilustrado

Its lines of salt taste so sweet
Trazem dias amargos e dias turbulentos
Comforting as home to our feet
Naufragam os barcos, gritam os ventos
 
How many have you claimed as yours?
Quando nos encantas com a tua curiosidade
Why do you bring us together?
Quando revelas ter tanta ferocidade
 
Oh, sea, guide me to peace
To my brothers on the other side
Ó, mar, leva-me à paz
Mostra-me quem partilha a tua presença
 

Poema de Pedro Leote, 11º 8ª, 2022
Ilustração de Lia Barreiros, 10º 6ª, 2022
Mais um poema, o n.º 6, da “coleção”
Um poema só porque sim”.
E o 1.º da subcoleção Mar.
E aceitamos mais: biblioteca@agr-tc.pt













Poema

Sinto-me dividido
Umas vezes, sozinho
Outras, iludido
Mas em todas, ridículo
Sinto-me doente
Há em mim um bicho
Que me consome a mente
E me faz questionar
Se alguma vez fui contente
Sei eu que não 
Mas há em mim ainda um outro que mente
E que apenas crê no que quer dar razão
Provoca em mim uma febre intermitente
Esse a que chamam coração

Sinto-me confundido
Por todas estas atribulações 
Serão para mim um castigo?
Aquilo a que chamam sensações

Sinto-me cansado
De todo este sentir
Não me podem deixar descansado,
Todos esses do fingir?

Deixem-me sossegado
Mas por favor, não me abandonem
Que o que em mim sente está estafado
Mas o que em mim vive quer ser amado

Eduardo Aleixo,12.º ano, 27/10/2022

Mais um poema, o n.º 5, da “coleção”
Um poema só porque sim”.
E aceitamos mais: biblioteca@agr-tc.pt
Poema

Não se nasce triste
É algo que se cresce para ser
Que dentro sempre existe
E do qual é impossível esconder

Como uma árvore de vida
Que negras folhas deixa cair
E mais cedo ou tarde duvida
Que das raízes o negro se convida

Não se pode viver
E as mesmas cortar
Pois sem raízes
Como nos havemos de alimentar

Não escolhi de onde vim
Julguei puder escolher para onde vou
Mas aquilo que há em mim
Não foi o eu que cultivou

Eduardo Aleixo,12.º ano, 27/10/2022

Mais um poema, o n.º 4, da “coleção”
Um poema só porque sim”.
E aceitamos mais: biblioteca@agr-tc.pt


Despojo

Bebi seiva da noite
Nos abraços selvagens que trocámos.
Nas horas tempestivas da loucura
era mais nosso o nosso sangue rubro…
 
Óh sangue a fervilhar nas veias do limite
limite
porta aberta ao espaço livre,
sem direção, sem tempo, sem medida.
 
Apenas com instinto
E com verdade.
 
Não há nomes marcados no teu rosto
nem caminhos rasgados no teu seio
 
Mas há, isso eu sei,
gritos rebeldes na alma dos teus olhos,
a soluçar na terra do amanhã
o beijo e o regresso prometido.
 
João Carlos, aluno da noite?, 1963
Publicado no Jornal Escolar Açoteia de 6/6/63
Republicado a 27/10/2022

Mais um poema, o n.º 3, da “coleção”
Um poema só porque sim”.
E o 1.º da subcoleção Memória.
E aceitamos mais: biblioteca@agr-tc.pt
Um poema de apenas um rapaz

Sinto falta
Falta de sentir mais
Sinto e acredito
Que viro as páginas
Mas são iguais

Sinto a falta de tudo
Sinto a dor sobretudo
Tanto amor à minha volta
Injustamente sortudo

Sinto que tenho tanto
Privilegiado e vendado
As páginas não estão em branco
Só perdi a vontade
Tanta tinta e no entanto
Reclamo que são iguais
Sou um hipócrita e tanto
Mascarado de rapaz


MF, 10.º ano, 12/10/2022

Mais um poema, o n.º 2, da “coleção”
Um poema só porque sim”.
E aceitamos mais: biblioteca@agr-tc.pt
Poema

Por vezes gostava de não ser
Sentir ou pensar
Ser tocado
Ou permitido tocar
Por vezes me recordo
De tempos em que fui
Algo que não suporto
E que em mim diminui

Sendo, sei que sofro
Não sendo, sei que morro
E entre um e outro
É onde me encontro
Infelizmente, estou
Falo, mas não sou ouvido
Escrevo, mas nada é lido
Se sou, nunca eu fui tão sozinho



Eduardo Aleixo,12.º ano, 7/10/2022

Um poema só porque sim. O Nº 1
E aceitamos mais: biblioteca@agr-tc.pt


Poema 3
POEMA 6

Atenção: abaixo temos apenas ligações para os facebook e instagram do agrupamento onde também publicámos os poemas acima.